Programa Universidade para Todos (Prouni) está sendo acusada de racismo nas redes sociais.

Uma campanha publicitária do Ministério da Educação sobre o prazo de inscrições para o Programa Universidade para Todos (Prouni) está sendo acusada de racismo nas redes sociais. O anúncio do último dia de inscrições para bolsas de 50% ou 100% para cursos de graduação em universidades privadas mostra uma mulher negra ao entrar na faculdade que, ao terminar o curso, é sobreposta por imagens de outra branca com o diploma na mão.

Isso porque internautas entenderam que a aluna negra que aparece na foto só segura o diploma com uma mão branca. A postagem no Instagram é diferente e vai além. Um vídeo mostra a mesma imagem e a modelo negra com penteado afro é substituída por uma branca com cabelos lisos.

Inúmeras mensagens questionam a campanha e acusam as peças de racismo.

Em nota, o MEC afirmou que "a intenção (da campanha) é enfatizar que as oportunidades são iguais para todos os candidatos, e a linguagem escolhida foi a sobreposição de imagens que demonstram a variedade de cor, raça e gênero". Ainda segundo a pasta, no Facebook o post alcançou "mais de 4,5 milhões de pessoas, 48% manifestaram reações positivas, 40% neutras, enquanto as negativas representaram apenas 8%".

Ainda de acordo com o MEC, a intenção da propaganda é enfatizar que as oportunidades são iguais para todos os candidatos.

"A linguagem escolhida foi a sobreposição de imagens que demonstram a variedade de cor, raça e gênero. Os cards produzidos para divulgação dos programas seguem a mesma linha publicitária para todas as peças da campanha. No Facebook o post alcançou mais de 4,5 milhões de pessoas. 48% manifestaram reações positivas, 40% neutras, enquanto as negativas representaram apenas 8%".

E você, o que acha sobre propagandas que geram duplo sentido? Acha que atinge mais pessoas quando gera polêmica? Deixe aqui sua opinião sobre este assunto. 



Seja o primeiro a avaliar!


Adicionar aos favoritos

Compartilhe & Favorite
Anuncie